Sabayon, uma distribuição Linux matadora.

Screenshot-6

O assunto agora é a distribuição Sabayon.

Depois de experimentar vários sabores de Linux, entre eles o Ubuntu, Mandriva, OpenSuse, ArchLinux, Linux Mint, Manjaro, Gentoo, Elementry, PCLinuxOS, Pear, entre outras, tive a grata satisfação de conhecer o Sabayon, uma distribuição italiana que tem como base o Gentoo, mas traz várias vantagens adicionais.

Primeiro vou falar do Gentoo.

É uma distribuição rolling release, ou seja, está sempre atualizada. Quer dizer que, ao contrário do Ubuntu por exemplo, que lança uma versão a cada 6 meses, ele está sempre atualizado. Não há um marco divisório entre o lançamento de uma versão e outra. Basta instalar através da última imagem disponibilizada e atualizar pelo repositório através do Portage, o seu sistema de gerenciamento de pacotes. Em outras palavras, suponhamos que você instalou o Gentoo à um ano e venha atualizando-o diariamente pela internet, hoje você terá um sistema idêntico ao de quem baixar uma imagem recente e instalá-lo agora.

O Gentoo é rápido, pois os pacotes são compilados para a arquitetura específica do seu hardware. No entanto para isso ele precisa compilar (gerar os executáveis a partir do código fonte) também em seu próprio computador. E isso demora. Por mais rápidos que sejam os processadores atuais, ainda assim é um processo lento. É aí que entra o Sabayon e o seu gerenciador de pacotes Entropy.

O Sabayon é uma distribuição Linux, também rolling release, na qual os pacotes (programas) já vêm compilados, ou seja, já vem na sua forma binária, executável. Sendo assim, quando você instala um programa novo do repositório, o processo é basicamente baixar um arquivo e descompactá-lo, mas quem fará isso automaticamente para você, cuidando de todas as dependências, é o Entropy, o seu moderno gerenciador de pacotes.

Outra vantagem do Sabayon é trazer sempre as últimas versões de cada pacote ou programa. E isso normalmente traz consigo maior segurança, pois presume-se que quanto mais atualizado um programa é, menos bugs contém. Como ele traz a última versão do kernel significa que praticamente todo o hardware será detectado e funcionará bem.

Sem contar com uma imensa gama de software disponíveis a um clique do mouse ou a um comando de distância. São mais de doze mil pacotes.

Se ficou interessado dê uma olhada no site oficial em http://sabayon.org

No próximo post mostrarei como criar uma imagem personalizada do Sabayon, já com todos os programas que você normalmente usa. Até lá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *